You are currently browsing the category archive for the ‘Desenvolvimento do bebê’ category.

Ultimamente ficou complicada a situação aqui em casa: a turma disputa telefone, computador, câmera e tablet, ao ponto de não poder ver um na frente pra começar o chororô. Quem dança sou eu, que acabo perdendo vários flashs da criançada porque se alguém me ver mexendo num desses equipamentos, já era…

A Elisa gamou nos joguinhos do iPad – também não tem quem não se enfeitice por aquela App Store, vamos combinar… Mas se o irmão vê a maquininha lá de longe, vem quente pedindo, nem que seja só pra ficar passando as fotos com o dedinho gorducho e rápido.

Eu sinceramente fico dividida. Não gosto do excesso de tecnologia que inunda a criançada hoje em dia. Sou “urbaninha”, como diz meu marido, mas pra coisas de infância ainda sou meio à moda antiga, acho que tem que brincar no sol, correr e brincar de “faz de conta”, que ensina muito mais do que o teclado e o joguinho que não exige criatividade.

Mas também não dá pra privar totalmente, até porque a galera andou inventando umas brincadeiras bem inteligentes, e pior, viciantes! O que eu tento fazer é usar positivamente, e com moderação. No teclado, por exemplo, a gente brinca de aprender as letras, e a danada ainda vai fazer 5 anos mas já sabe escrever umas palavrinhas… E assim por diante, mas eu sei muito bem que dentro de pouco tempo não sou eu que vou escolher o tipo de brincadeira…

A Elisa gosta de desafio. Não tem medo de nada, e tem certeza do que quer. Eu acho isso o máximo, mas como qualquer coisa, quando é demais, estraga. Tenho tentado trabalhar isso com ela. Hoje foi na aula de natação, e não quis entrar na piscina. Empacou e não desempacava. Haja paciência! Agora, quando põe na cabeça que vai fazer alguma coisa, é inacreditavelmente insistente. Exemplo: esse arvorismo, que eu fiquei morrendo de medo:

Arvorismo

É, mamãe, esse é só o começo…! 🙂

 

Como é bom ter uma filhota curiosa…!

Ontem à tarde ela encasquetou que queria fazer suco de morango. Saímos para comprar, e entre um supermercado e outro, paramos para abastecer o carro. Do banco de trás, ela não perde um flash.

Terminado o abastecimento, pedi ao atendente para pontuar no Cartão Ipiranga. Ele trouxe a maquininha, eu digitei, e estava fora de sistema. 😦 Deixamos processando, e combinado que “se for, foi”. Vazamos para o Pão de Açúcar. Saindo do posto, começou o interrogatório:

– “Mamãe, o que era aquela maquininha?”

– “Era onde a gente digita o nosso número e ganha pontos para trocar por prêmios”.

– “Que prêmios???” (já interessada)

– “DVDs…”

– “DVDs?????!!!!!” (muito mais do que interessada)

– “É, e também CDs, brinquedos, roupas…”

– “Mas mamãe, por que eles dão esses prêmios?”

– “Ah, filha, porque eles querem que a gente prefira abastecer no posto deles, então eles dão pontinhos pra gente ganhar prêmios, toda vez que a gente abastece aí”.

– “Mas porque eles querem que a gente prefira o posto deles?”

– “Porque assim eles ganham mais dinheirinho, filha”.

– “Mas a gente não pode preferir outro posto?”

– “Pooooode… Cada um faz alguma coisa pra gente preferir o seu posto”.

Nessa hora paramos no semáforo em frente a um outro posto.

– “A gente não pode, por exemplo, preferir este posto, mamãe?”

– “Pode, filha, mas este a mamãe não sabe se a gasolina é boa. Algumas gasolinas podem estar estragadas e estragar o nosso carro…”

– “Nossa, não acredito…”

Chegamos ao supermercado, e mudamos de assunto. Essa lição de marketing já estava ficando muito longa pra alguém com 4 anos e meio. Vai que também vira publicitária igual a mãe!!! 🙂

Feliz da vida  porque choveu e ela pôde sair em frente de casa, pra usar o guarda-chuva...

Feliz da vida porque choveu e ela pôde sair em frente de casa, pra usar o guarda-chuva…

Bem que a turma mais experiente já dizia: filho crescido não é sinônimo de sossego…

Dona Elisa tá naquela fase! Só escuta o que interessa, não tem medo de nada, sabe o que quer e tem toda a razão. Não, ainda não é adolescente. Só tem 4 anos e meio! Ô geração!

Ainda bem que não deixou de lado (ainda) a fantasia, uma das melhores coisas da infância:

Nas férias de janeiro, no Guarujá, ganhou um colar poderosíssimo, que a fazia sereia ou humana num piscar de olhos - quem já assistiu Barbie Sereia vai entender!

Nas férias de janeiro, no Guarujá, ganhou um colar poderosíssimo, que a fazia sereia ou humana num piscar de olhos – quem já assistiu Barbie Sereia vai entender!

A danada sabe que é charmosa!

A danada sabe que é charmosa!

Mas na hora do pulão na piscina, ó o medão aparecendo! "Vai ter que mergulhar? :( "

Mas na hora do pulão na piscina, ó o medão aparecendo! “Vai ter que mergulhar? 😦 “

E não é que o primeiro dentinho ficou mole??? "Elisa, pára de mexer no dente, quando tiver que cair ele cai!" Imagina se adiantava falar...

E não é que o primeiro dentinho ficou mole??? “Elisa, pára de mexer no dente, quando tiver que cair ele cai!” Imagina se adiantava falar…

"Mamãe, vovó, Mary, papai... tem um dente na minha língua?" Foi ficando mole, mole, mole e só de escovar deu nisso: janelinha antes da hora. Mas a dentista examinou e aprovou - os molares já estão vindo. Porque tão precoce? É a geração, os hormônios nos alimentos, a vida de hoje... Eca, viu!

“Mamãe, vovó, Mary, papai… tem um dente na minha língua?” Foi ficando mole, mole, mole e só de escovar deu nisso: janelinha antes da hora. Mas a dentista examinou e aprovou – os molares já estão vindo. Porque tão precoce? É a geração, os hormônios nos alimentos, a vida de hoje… Eca, viu!

Cresce não, minha Cinderela... Ou cresce, vai, mas devagarinho!

Cresce não, minha Cinderela… Ou cresce, vai, mas devagarinho!

Ah, detalhe: “Mamãe, este devia se chamar ‘Carnaval dos Tombos'”. Ela veio com essa no domingo, depois de bater a cabeça duas vezes, uma na nuca ao escorregar no chão molhado, e outra na testa, essa pra valer, porque pensou que podia “voar” do sofá. Claro que nem tem foto, porque o nervoso e o susto não permitiram. Horas sem dormir pra observar, ânsia de vômito porque estava infeccionando a garganta (mas quem sabia disso?), Pronto Socorro, Raio X… mas sã e salva, graças a Deus!

Então cresce, vai filha, mas cria juízo! E escuta sua mãe!

image

Eu fui ditando as letras e ela foi escrevendo: “esta praia é uma delícia”! E esta menina também!

 

 

Ela demora demais prá comer, parece até que esquece do que está fazendo, fica com a comida parada na boca, mastigando devagarinho até acabar. Nasceu à mãe.

É loirinha, magrinha, tímida, não se enturma com muita facilidade. Mas é meiguinha, atenta, questionadora. E prestativa.

Também não é egoísta: para provar que também tem pai, é carinhosa, dengosa, inteligente, persistente como ele. E muito sincera: do alto da sua autenticidade, é cópia da mãe, mas nem disfarça que prefere o pai. Danada! Sim, é que também é apaixonada por ele, tem ciúmes…igualzinha à mãe!

Já me haviam dito que é nos três anos que a criança mostra sua personalidade. Se a adolescência é a transformação da criança em adulto, a fase dos três anos é a transformação do bebê em criança. A Elisa não foge à regra. Da hora que acorda até segundos antes de pregar os olhos, é ela quem quer mandar. E pensa que manda. Melhor, tem certeza. Ela fala tudo com uma desenvoltura e segurança que acabam exigindo de nós criatividade e muita habilidade nas argumentações. Se na vida adulta ela tiver, para enfrentar seus desafios, essa mesma persistência que tem hoje prá conseguir o que quer, ninguém segura!

Ela percebe absolutamente tudo o que está à sua volta, comenta tudo, participa, questiona e até corrige a gente! E pior: agora ela quer usar com a gente os mesmos métodos que usamos com ela. “Come a última colherada da comida que depois eu pego as fotos para você”, por exemplo, a gente pode dizer. “Não, pegue as fotos e depois eu como”, ela rebate. E quantas vezes precisar, sem desistir.

E por aí vai. Quer escolher as roupas, se vestir sozinha, colocar umas por cima das outras, e de preferência tudo rosa.

Outro dia foi demais: era sábado cedo. Nós dois, acordados, curtindo preguiça na cama, ouvimos bater uma porta de armário. Dali a pouco aparece ela, já de roupa, e não pijama. Sorriso abertão. “O que é isso, Elisa?!” “Tô pronta, mamãe”. “E por que você está gelada assim?!” “Fiz xixi na cama, tomei banho e tô pronta!” Fui conferir. A cama estava mesmo ensopada de xixi, o banheiro todo desorganizado e molhado, toalha no chão. A danada fez tudo sozinha, de fato. Fiquei orgulhosa e dei-lhe os parabéns pela independência. O xixi a gente dispensa, expliquei…

Agora terminaram as férias. Voltou às aulas com a corda toda. Durante as três semanas de folga nós convidamos a Giulia, 15 anos, prima-tia que ela ama e copia em tudo, para fazer companhia.

Várias tardes de brincadeira também com a prima Luana e com o Bruno, os dois até se aproximaram mais e agora estão bem amiguinhos. Faltou só o Lucas, que como diz a Luana, “ainda está bebê”. Aliás, MEU AFILHADO! Fiquei tão feliz com o convite!!!

Bom, dia 08 está aí. A festinha faremos no dia 13, véspera do Dia dos Pais. Temos, pois, deliciosas comemorações pela frente!

Foi há 2 sábados, durante passeio no shopping com o papai. Elisa voltou com 4 gibis da Turma: Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali. Desde então é um tal de ler historinhas sem parar, principalmente algumas que ela mais gostou e a gente até já decorou. Ela não se cansa.

Ontem foi demais. Ficou mais de meia hora sentada à mesa, depois do jantar, com o gibi do Cascão, folheando e contando ELA MESMA as historinhas. É claro que todas diferentes daquelas que realmente constam no gibi, mas por isso mesma. Fiquei boba com sua capacidade de criar histórias. Passava as páginas, lia com entonação, inventava situações. Mais uma vez, muito surpreendente!

 

Acho que podemos contabilizar esta como uma das principais conquistas da Elisa nesta fase próxima de completar 3 aninhos: ela largou a chupeta!

Foi assim: durante a viagem de férias ao Berro D’Água ela conheceu uma amiguinha que tinha uma Barbie Sereia. Foi paixão à primeira vista. Na volta, como ela já estava chupando só prá dormir, e de sem-vergonhice quando acordava, vimos que era a hora certa de tirar. Então tivemos a idéia de propor uma troca da chupeta por uma Barbie Sereia. Claro que não tínhamos certeza se daria certo, existia um risco muito grande de termos que voltar atrás e retroceder à estaca menos 1 (nem zero, porque depois da primeira volta atrás tudo fica  mais difícil). Mas armamos um passeio a um shopping diferente, em outra cidade, por ocasião de uma ida ao médico, e por vários dias ficamos preparando-a psicologicamente para a troca, fazendo a maior fantasia em torno da Barbie Sereia. Até filminhos no You Tube nós encontramos e ficamos assistindo várias vezes. Ela ficou totalmente apaixonada pela boneca, e agora é assim:

Parabéns, Elisa, por esta importante evolução!

Elisa ADORA desenhar. E sabe! Na última reunião na escola a professora já havia se mostrado admirada com o capricho dela nos trabalhinhos de pintura. Mas um dia desses fiquei surpresa com sua habilidade nos traços. Ela me disse que ia me desenhar, e confesso que eu não esperava mais do que um rabisco próprio de uma criança de 2 anos e meio. Quando vi o resultado, fui incentivando que desenhasse toda a família, e adorei ver que ela tem total noção que tem que fazer a cabeça, o rosto, cabelo, as pernas, e faz até os pezinhos!!!

“Essa é a Luana deitada na sua caminha”, me explicou sobre aquele trecho ali no alto do segundo desenho, cantinho esquerdo. Pode?!

Vovô Sérgio sempre foi um ótimo desenhista, e eu me lembro bem dos lindos desenhos que ele fazia quando eu era pequena, principalmente de animais. Foi assim que também descobri meu talento para isso, e graças às aulas de desenho artístico que freqüentei por mais de 5 anos, aprendi muito e tenho vários trabalhos dessa época da adolescência e juventude. Com a Elisa, também sempre estimulamos porque ela pede demais para desenharmos com ela; portanto, impossível saber se essa habilidade é efeito da estimulação ou da genética. Penso que deve ser mesmo uma soma de ambas as coisas, e quem sabe logo logo será ela que freqüentará a escolinha de desenho do Marco Cavallari, meu mestre nessa área!

Agora ela também se apaixonou por quebra-cabeças. No início foi até engraçado porque ela não entendia o motivo desse brinquedo ter este nome. Acho que até agora fica meio intrigada com isso, mas já aprendeu que é assim que se chama, e refere-se a ele direitinho. No batizado do Bruno ela ganhou um quebra-cabeça da Arca de Noé, da Tia Lúcia e da Kátia (valeu!). Vantagens de ser a irmã mais velha mas ainda ser “bebê”… Pois bem, de lá prá cá, queria montar todo dia, às vezes duas ou três vezes, incansável! Nas primeiras vezes ficava em êxtase quando conseguia encaixar cada pecinha, com a nossa ajuda, principalmente do papai que tem uma carga enorme de paciência para brincar com ela TODA NOITE. Agora, não é que ela sabe montar as 30 peças SOZINHA???

Aí, depois de montado, o brinquedo ainda rende histórias sobre a Arca de Noé, exercício de adivinhar os nomes de todos os animais, brincadeiras sobre trocar os nomes deles, ou seja, asas para a imaginação…!

Essa garota é uma figura. Inteligente ao extremo, ela é esperta ao ponto de usar suas habilidades só quando ELA quer. Claro, mineirinha como ela só, demooooora prá responder ou fazer o que a gente pede, quando não lhe interessa.

Por exemplo: aula de natação. Mudamos até de turma prá ver se melhora, porque a folgada é a mais velha dos “bebês”, e não quer nem saber de chuvinha no rosto, fazer bolinha com a boca, e muito menos mergulhar. Haja paciência! A professora pedindo prá subir na borda e dar pulão, ela quer sentar e ficar batendo as perninhas na água. Depois é prá pegar a bóia e nadar sozinha, mas ela quer o macarrão rosa, e não pára de pedir, nem olha prá professora… Eu lá, no maior esforço e gastando aquela energia prá levantar a moça, balançar prá cá e prá lá, gira, e vai, e ela “naquele” interesse!

Sei lá se devo insistir nesse esporte, talvez ela com o tempo demonstre que prefere outro, mas acho tão importante saber nadar! Taí o que ela gosta: sombra, água fresca e bastante liberdade:

A gente ensina os filhos, e eles ensinam a gente. De tanto ensinar coisas para a Elisa, ela está nos ensinando que criança exige MUITA paciência, e está nos proporcionando um excelente estágio para aprendermos a ensinar, ensinar, ensinar, pois se para ela a gente explica 10 vezes uma coisa, para o Bruno talvez tenhamos que expliar 20, mas não tem problema. Quem faria isso por eles, senão nós, os pais, avós, tios, família???

A princesa finalmente parece ter aprendido a pedir para fazer cocô no vaso! Desde quando tiramos a fralda, logo depois dos 2 anos, o xixi a gente estava conseguindo administrar, levando para fazer mesmo antes dela pedir, até que aprendeu, mas o cocô… acabava sempre saindo na calcinha, mesmo oferecendo várias vezes ao dia para ir ao vaso. Pior ainda é que ela já estava segurando e ficando 1 ou 2 dias sem fazer, porque sabia que não era prá fazer na calcinha, mas também não se sentia à vontade prá fazer no vaso. Isso porque várias vezes ao dia a colocamos no vaso, ela pede para ver fotos no albinho, fica lá enrolando até dar vontade, mas às vezes passa quase meia hora e nada… Muitas vezes, para não pressionar demais, acabávamos deixando que saísse na calcinha mesmo, e aí era aquele trabalhão e meleca.

Ontem à noite ela finalmente avisou que ia sair cocô!!! Claro que o horário não era o mais apropriado, porque estávamos só nós 3 aqui (eu, ela e Bruno) e o pequeno estava mamando na mamãe… Então foi aquela acrobacia prá colocar a sabuga no vaso, mas ainda bem que ela já ajuda bem, tira a roupa sozinha e tudo. Mas teve que ser bem rápido para não “escapar”, porque quando ela avisa, é que já está na portinha!!! Recebeu muitos elogios e ficou toda feliz, agora não pára de falar que é moça.

Aliviados, depois fomos todos brincar no colchonete, uma delícia!

  

Parabéns, Elisa, por mais essa evolução!

“Sabia que você é meu tesouro?” – disse eu à princesa, toda carinhosa.

“Não, mamãe, eu não sou tesouro, sou tesoura“. Ah meu Deus, como eu não imaginei??? Afinal, o Bruno é “crianço”, não é “criança”, já me explicava a Elisa na semana passada.

Bem feito, mamãe. Não foi você que começou com essa história de “menino com menino, menina com menina”?, prá ver se rolava tomar banho com a Elisa enquanto o papai (que é dela) ficava um pouquinho só com o Bruno?

Agora vá explicar à sabuga os mistérios da nossa língua portuguesa!

Mas até que não dá prá negar que ela tem um pouco de tesoura na personalidade. Ultimamente, corta qualquer conversa prá perguntar “o que vc tá falando pro papai, mamãe?”…

Pouco antes de fazer 1 mês o Bruno começou a ter umas assaduras bem feias no bumbum, que agora estão mais “controladas”, mas ainda persistentes. No pior momento o pediatra receitou fralda de pano (sem calça plástica, claro) e Violeta Genciana, um produtinho eficaz mas muito malvado, que tinge não apenas o bumbum mas também tudo ao redor do bebê, da mãe, da casa… enfim, eu acabava tendo que comentar com todo mundo que meu dedo estava sempre roxo porque estava passando “violeta” no bumbum do Bruno. Comentei com muita gente, mas não cheguei a comentar diretamente com a Elisa, porém suas anteninhas estão 24 horas no ar.

Ontem, Bruno mamava e Elisa brincava no chão com o Lego; eu amamentava e a ajudava a adivinhar as cores das pecinhas. Chegou uma pecinha que ela não lembrava a cor. “Essa é violeta, filha”. E ela me olha com aquela risadinha irônica, dizendo: “Violeta de passar  no bumbum do Bruno, mamãe?”… É mole?!

Mais tarde, fomos tomar banho. Os dois tapetinhos do banheiro estavam com as etiquetas “TEKA” viradas para fora, e isso me irrita um pouco. “Vamos colocar as etiquetinhas prá baixo do tapete, né, Elisa?” comentei enquanto escondia as benditinhas (devia era ter cortado). Pois bem, achei que a danada não tinha nem ouvido. Hoje de manhã eu dava mamá de novo, e ela se vestia sozinha. Vestiu a calcinha, eu avisei: “Elisa, coloca a etiquetinha da calcinha prá dentro”. “Igual as etiquetinhas dos tapetes, mamãe?” – Gente com menos de 2 anos e meio tem essa memória, essa capacidade de correlacionar e deduzir as coisas?! É ou não é o caso de morder as bochechas???

Eu e Elisa estamos crescendo. Eu, por causa do Bruno, e ela, porque está se desenvolvendo muito rápido. Os dois aninhos estão chegando, e ela demonstra mudanças a cada dia. Fala demais, entende tudo, conta histórias, canta, pergunta, responde, dança, corre, pula, pede, recusa, chora, sorri, grita, faz tudo.

E o Bruno mexe, mexe, mexe. Eu ando agitada, coitado, não sei se é isso. Mas a médica do ultrasson disse que é sinal de vitalidade, graças a Deus. Minha barriga está bem grande, ele já está com praticamente 30 centímetros lá dentro. Não vejo a hora de ver a carinha dele!

A Elisa não larga a gripe e a tosse. Agora entrou no antibiótico, porque o catarro tá no peito e no pulmão. Mas tá solto, graças a Deus, então não é pneumonia e nem bronquite, disse o médico. Mas aqueles xaropinhos de sempre não estão resolvendo, só enquanto ela está tomando, depois volta tudo. Queira Deus que agora o antibiótico cure de vez! Mas ela está super saudável, ninguém diz que está tomando remédio; é diferente das outras vezes em que ficou abatidinha, ela tá esperta e ativa.

Compramos a caminha, daqui a uns dias tá chegando. Começamos a tentar tirar a fralda, mas decidimos esperar mais um pouco. Ela entende tudo, então pensamos que ia saber lidar com isso, mas é diferente. Ela sabe quando fez xixi, mas não sabe perceber que vai fazer, simplesmente faz. E ficou extremamente irritada porque a cada meia hora a gente fica querendo levá-la para fazer. Pegou implicância e decidimos não insistir porque parece não ser a hora certa, e depois pode ficar pior ainda. Tem também o problema do cocô; o xixi ela faz direitinho no vaso, agora que está de fralda fica quase sempre seca, mas o cocô ela não consegue fazer nem no piniquinho nem no vaso com o redutor, fica nervosa e só consegue fazer em pé, meio curvadinha apoioada com os braços no sofá… Vamos ver, daqui a uns 15 dias recomeçaremos as tentativas.

Já são 11 e 40 da noite e ela está aqui do meu lado assistindo Xuxa Circo, que ela ama de paixão. Vou tentar colocá-la para dormir, porque hoje está tudo desregulado. É domingo, voltamos tarde da chácara do Bisa, ela veio dormindo no carro porque brincou muitão, e aí acordou quase 8 e meia da noite, imaginem… Vamos lá!

Em primeiro lugar, muito obrigada a todas pelos comentários no post anterior; adorei as preciosíssimas dicas!!!

A Thais Alves falou sobre amadurecimento, e parece que é isso mesmo que a Elisa está buscando, mas de uma forma bem contraditória. Explico: ela arrumou agora uma teimosia tremenda, de ser independente. Quer ser madura de fazer tudo sozinha, desde vestir a roupa até subir na cadeirinha do carro, e muitas outras coisas mais. Ao mesmo tempo, a maturidade passa longe, porque ela não aceita sequer a nossa menor ajuda, tem que ser sozinha mesmo. E se não for, tem que começar tudo de novo. E se a gente insistir, vem o choro, que demooooooooora a parar!

Por exemplo, se ela diz que quer subir a escada sozinha, e a gente segura, ela fica brava e quer voltar desde o início prá subir (ou descer) sem ajuda desde o começo. É mole?! Este exemplo vale para muitas outras coisas, inclusive para fechar o cinto de segurança da cadeirinha do carro, o que, é claro, demora vários minutos para ela conseguir. Mas nem pense em ter pressa e oferecer ajuda, mesmo que esteja atrasada para o trabalho, porque a danada se irrita e mostra toda a sua teimosia.

É a fase dos 2 anos chegando? Ou é vontade de chamar a atenção porque está percebendo que vai dividir o seu mundo com o Bruno???

(em tempo): Papai voltou da África e mamãe tornou-se peça obsoleta. Agora, por exemplo, ela está lá dormindo com ele, me dispensou e vim para cá!

A impressão que eu tenho é de que estou sempre atrasada, as datas chegam antes da hora, e parecem me pegar sempre de surpresa…!

Pronto, semana que vem já é Dia das Mães, a Elisa já está fazendo 1 ano e 9 meses, e o(a) novo(a) bebê já está com 10 semanas, ou seja, 1/4 da gestação já se foi!!!

Infelizmente não tenho encontrado tempo para vir ao blog, sempre que a Elisa dorme, eu já estou pingando de sono, ando cansaaaaaada demais, é impressionante. Deve ser da gravidez, porque o restante continua tudo como antes.

Do último post para cá, a Elisa pegou uma “bronquite catarral” muito feia, teve que tomar antibiótico pela primeira vez, ficou bem ruinzinha, coitada. Mas agora já está recuperada, terminou o remédio há 1 semana, apesar que hoje começou a ter resfriado de novo, é inacreditável. Mas espero que dessa vez seja superficial; pelo menos por enquanto vou tentar manter só a homeopatia, que até agora não apresentou grandes resultados, mas também não segui à risca porque não tenho paciência de ver minha filhota sofrendo sendo que um remedinho tradicional, na maioria das vezes, alivia bastante.

Estou pensando em colocar a Elisa na escolinha em agosto. Queria colocar até antes, porque acho que vai ser bom ter companhia, espaço e novidades para brincar, apesar da desvantagem de ficar mais doente por causa das outras crianças, mas de qualquer forma ela sempre fica gripada mesmo… Só que estou pensando em tirar férias para fazer a adaptação sossegada, e não poderei tirar antes de julho. Mas julho é férias escolares, então, fica para agosto. Se bem que estou em dúvida se é melhor eu mesma fazer a adaptação, ou dividir com a minha mãe, já que é a vovó que fica com a Elisa todos os dias…! Se for comigo, talvez ela pense que é sábado, e fique ainda mais difícil… A danada  já sabe diferenciar, é muito legal; quando é fim de semana ela pergunta: “Mamãe não vai pabaiá?” “Vai no Popin com a Ezi (shopping com a Elisa)?”.

É isso, ela está demais, falando tudo, inclusive em frases, e por iniciativa própria, sai falando e comentando tudo! Bom, mais uma vez o sono tá batendo forte, então fico por aqui, sem fotos e maiores detalhes, que deixo para a próxima oportunidade – em breve, espero!

Com 1 ano e 8 meses (amanhã), a Elisa agora decidiu que é independente. Quer comer sozinha, calçar a sandália sozinha, escolher a roupa sozinha, e (melhor) dormir sozinha! É a coisa mais linda do mundo; ela pede “comê sozinha, mamãe”; “naná bercinho, mamãe”; “sandainha sozinha, mamãe”; imaginem que doçura!

Tanta evolução aconteceu, principalmente, na semana que tiramos de férias. Fomos viajar para Maragogi, em Alagoas, um resort lindo e delicioso (Miramar Maragogi Resort), e ela se esbaldou, tanto quanto nós, que curtimos demais nossa filhota.

Ela conheceu tanta coisa nova, aprendeu várias e várias palavras, experimentou areia, mar, piscina e tudo junto ao mesmo tempo, comidas diferentes, viagem de avião, e parece que voltou até mais moça.

Foi realmente inesquecível, acho que inclusive para a Elisa.

Depois veio Páscoa, vacina da Gripe A, resfriado e agora Sapinho na boca…! Achei meio estranho, justamente porque ela já passou da idade disso, mas a médica disse que é… Infelizmente não foi o pediatra dela que viu, porque não agüentamos esperar segunda-feira e a levamos ao plantão no domingo, então agora estamos aplicando o remédinho prá ver se era isso mesmo. Parece que já está bem melhor, praticamente sumiu tudo, vamos ver… Semana que vem vou viajar, ficar de novo 4 dias longe da Elisa; parece que ela está até adivinhando, tá um verdadeiro grude com o pai, incrível. De certa forma é bom – apesar de eu ficar me sentindo meio “de lado” (puro exagero) – pior seria se ela estivesse grude com ELE e ELE fosse viajar, né? Enfim, passa rápido…

Um mês sumida do blog…!

É inacreditável como o tempo voa, e a gente fica até sem saber tudo o que aconteceu em vividíssimos 30 dias (28, que seja, porque era fevereiro).

A Elisa aprendeu inúmeras novas palavras – já fica complicado relatar porque ela repete absolutamente tudo o que a gente fala, inclusive “Eu te amo”;

Faz a gente derreter ao recitar “Batatinha quando nasce” – só os gestos, claro; e quem ensinou foi a vovó, claro;

Está fazendo cada vez mais molequices;

Está fissurada por desenhar sentada à mesinha plástica que ganhou;

Vai começar natação no próximo sábado;

Quer dormir com duas chupetas, mas a muito custo eu não estou deixando, na esperança de que logo ela esqueça; 

É apaixonada por crianças mais velhas que ela, tanto faz se menino ou menina…

Enfim, são tantas coisas que mudaram nesse último mês, que vou precisar de outro inteiro para colocar as novidades em dia. Mas agora não descuido mais; estive demais envolvida com coisas do trabalho, e também com a escolha / reserva da nossa viagem da semana do dia 22, que eu não vejo a hora, e por isso dei uma sumida.

Hoje não vou postar fotos em protesto contra minha própria pessoa, que deu minha câmera digital nas mãos da Elisa, e não foram poucas vezes, até que ela arremessou no chão, como vem fazendo com tudo ultimamente, e deu defeito mortal. Trocar a placa mãe ficaria mais caro que comprar uma nova, então foi isso que eu fiz, mas ainda não chegou a entrega.

Fotos, portanto, só na próxima, mas dessa vez, em breve.

Diz a lenda que a águia estava comendo todos os filhotes da floresta. A coruja foi até ela e disse:

– Ô Águia, preciso ir buscar comida para os meus filhotes e vou deixá-los no ninho, olha lá, não os coma, que são meus filhos!

– Mas como vou saber quais filhotes são os seus, coruja?!

– Ora, é fácil, são os mais lindos  de todos!

Pois bem, essa é a lenda que fundamenta toda a nossa corujisse!

Da minha parte, está cada vez mais difícil não ser mãe coruja. A Elisa está simplesmente irresistível. Como está esperta! Entende tudo o que a gente diz, e claro, principalmente aquilo que a interessa… hehehe. Quando está bem disposta, fala tudo o que a gente pede – ou pelo menos ela tenta, né. E quando percebe que a gente ri, ah, não perde a chance, fica repetindo e rindo também, muito linda.

Papai, Mamãe e Dedé (a madrinha) são as campeãs. Mas Vovô, Vovó, Mamão, Mimão (limão), Cagol (Carol, a prima), Mamom (Ramon, o primo), Papá, Cá mamãe (carro da mamãe), Cá papai (carro do papai), Bibí (a motoca), Abí (abrir), Pão (que ela ama), Não (de tanto que a gente fala), e muitas outras palavrinhas estão pintando por aí. Até “ai, ai, ai…” ela suspira! Também o nome dela ela tenta falar, mas esse tá difícil, só saiu o “Isa” por enquanto.

Sinto falta de ficar mais tempo com ela, e pode ser que em breve isso mude, porque minha jornada de trabalho será reduzida – e o salário também, infelizmente, mas são mudanças estruturais na empresa, não vai dar prá evitar, então o jeito é readaptar, e aproveitar com minnha filhota. Por outro lado, fico pensando em voltar a estudar, mas sei lá, isso já é assunto para outro post!

Até agora a Elisa tinha praticado apenas pequenas birras – quando não queria largar um treco perigoso, sentar na cadeirinha do carro, trocar a fralda, ou outras coisitas corriqueiras…

Mas neste sábado ela foi longe demais. Pude sentir na pele o que as mães desesperadas chamam de “birra”. Foi uma demonstração louca de raiva, muita raiva, porque não pôde ficar um pouco mais, ou seja, o dia todo, na cama elástica. Ela AMA este brinquedo, e como há uma semana atrás pôde brincar, sozinha, uma tarde inteira na cama elástica no churrasco do turma da empresa, porque era só ela e mais uma criança, então achou que a regra era essa.

Porém, neste sábado, estivemos numa festa de batizado com várias, várias crianças, e todas elas queriam, é claro, brincar na cama elástica. Pois a Elisa armou o maior E S C Â N D A L O da sua vida. A loucura pela cama elástica juntou-se ao sono e à fome (sem querer comer, também por causa da cama), e o resultado foi que tivemos que ir embora da festa, sem nem bem termos chegado…! No carro, ela continuou berrando igual uma doida, chegava a engasgar, ficou inchada, empurrava a chupeta, minha mão e recusava qualquer outra tentativa minha de acalmá-la. Chorou por muito tempo, até dormir…

Sinceramente, nem parecia a Elisa que eu conheço há 16 meses, mais os 9 na barriga. A raiva e a contrariedade transformaram minha garotinha doce, numa menina mais que brava, furiosa.

Eu, como mãe, ainda tento decifrar meu sentimento, um misto de dó, raiva, incompetência, vergonha, desconhecimento, e aflição por saber que ESSA FOI SÓ A PRIMEIRA VEZ!!!

Gente, quem já passou por isso sabe dizer o quê fazer???

O tempo vai passando, e a Elisa cada vez mais nos supreende com sua esperteza, alegria, e vitalidade. Graças a Deus está cheia de saúde.

Nesses dias que fiquei sem escrever, muitas coisas aconteceram, além de ela ter completado 15 meses.

Foi ao salão de beleza cortar a franjinha,

 

Viajou para a casa da vovó que mora longe, onde andou de pocotó de verdade (ou quase, foi charrete na verdade, mas ficou encantada),

 

Começou a falar vovô e vovó (mamãe e papai ela já fala sem parar), madrinha Dedé (Andréia), aprendeu a pedir água, DVD e necessidades básicas como estas…

E dia após dia vai deixando papai, mamãe, vovô, vovó, padrinho, madrinha, enfim, todo mundo, cada vez mais apaixonado.

Em meio a tudo isso, continuamos lutando contra os pernilongos. Eles não se cansam de atacar a Elisa durante a noite, e fico arrasada quando ela acorda cheia de picadas. O médico recomendou que não utilizemos a tomadinha de veneno repelente, e orientou que é preferível passar repelente natural (Citronela, não lembro se é assim que escreve) no próprio corpinho dela. Mas só isso não é suficiente, então agora estamos usando uma tomadinha repelente elétrica, que faz um zunido que os pernilongos detestam, e assim ficam longe. Parece que agora está dando certo! Alguém tem mais dicas???

Depois de amanhã vou ter que viajar a trabalho, e ficar 3 dias sem ver a boneca. Como resistir??? Papai e vovó mais do que nunca entrarão em ação, e se Deus quiser vai dar tudo certo…!

Não dá prá exigir tanto desse Anjo da Guarda sem um reconhecimento pelo seu trabalho! Sim, dobra o salário dele, ou teremos que contratar um reforço! Ainda mais agora que moramos num sobrado, com direito a piscina e outros acessórios de risco…! Bem na época que a Elisa está naquela fase de escalar e se aventurar onde puder.

Tombo

Ela já sobe e desce sozinha da motoca (ou pelo menos tenta, mas na maior parte das vezes consegue), sobe e senta no meio da mesa de centro da sala, de onde sorri feliz da vida, quer sentar no sofá igual gente grande, sem nossa ajuda, e logo na primeira semana de casa nova foi flagrada no final do primeiro lance da escada, depois de arrastar a caixa que servia de cerquinha improvisada. Haja Anjo da Guarda, gente!!!

Graças a Deus o da Elisa é muito trabalhador, e todas as noites e todas as manhãs a gente reza para ele (eu e ela, durante a troca de fraldas), sem brincadeira, porque isso é coisa séria mesmo.

Foi só uma forma de contar que a Elisa está muito esperta, levada e sapeca. Mas o melhor de tudo é que fala MAMÃE e PAPAI perfeitinho, a coisa mais linda do mundo, quem me dera poder reproduzir aqui o sonzinho da sua voz me chamando… ah, que doçura. Não tem teimosia que resista, e olha que ela não é muito fã de obedecer, aliás, adora fingir que não está ouvindo. O jeito é respirar fundo e buscar muita paciência. Afinal, ficamos tão pouco tempo juntas, vamos ficar “brigando”?! Tudo bem que tem hora que não dá, já me peguei gritando com ela para não pegar as pedrinhas brancas do jardim e espalhar pelo chão da sala, mas também, é uma tentação louca aquelas pedrinhas! Estou quase desistindo e deixando, desde que ela não coloque na boca, claro. Mas dizem que é aí mesmo que a gente erra, porque se é não, é sempre não, e pronto. Ah tá, então. Parece fácil, né?

Ela pega as pedrinhas brancas do vaso, olha prá gente, e ela mesma faz “nananananão” balançando o dedinho (e o bracinho, a cabecinha, tudo junto).

Sabe onde é o narizinho, a boquinha, o olhinho… tanto dela quanto da vovó, da mamãe, do papai, e por aí vai.

Canta “pa…bem….pa….ba….” batendo palminha, ou seja….! Parabéns a você!

Levanta o bracinho lá no alto quando a gente pergunta “Quem quer bolacha?”, ou “quem quer mamar?”, ou “quem quer o pepê (chupeta)”, ou qualquer outra coisa que ela gosta muito; se for muito bom mesmo, ela até faz um “eeeeee” junto com o bracinho, um arraso.

Imita várias coisas que o padrinho faz, aponta e grita quando quer muito um negócio qualquer, entra e sai sozinha do elevador, carrega a bolsinha, quer calçar o sapato (nela, na mamãe, e nos outros que estiverem com os pés por perto), passar creme então ela adora, e também pentear o cabelo, e outras coisitas de mulher….

roupa_princesa

Esta é a Elisa aos 13 meses e meio. Inteligente demais para a idade, gente! Que delícia… E como aprende fácil, a danada. Principalmente o que não deve, claro. O pior é que fica quase impossível não rir quando ela faz uma traquinagem planejada, e olha com aquele sorriso misto com fusquinha. É mole?!

Voltei para casa, e dias depois a Elisa já estava totalmente recuperada da virose.

Muito obrigada a todos que torceram pela rápida recuperação da princesa.

baby_minnie_050206Então mergulhei fundo nos preparativos finais da festinha, e acabei sumindo do blog. Ainda estou sem tempo, mas dei uma passadinha só prá registrar que estamos super bem, a festinha foi um sucesso total, e 4 dias depois do grande dia, a Elisa deu seus primeiros passos sozinha.

Estou muito orgulhosa da minha filha, e feliz por não ter perdido esse momento precioso de vê-la andar pela primeira vez. Foi na casa da vovó, é claro, mas pelo menos eu estava lá.

Em breve voltarei com todos os detalhes dessa nova e maravilhosa fase.

Fazendo_papinha

Estou com saudades dos blogs amigos, e nos próximos dias farei de tudo para visitá-los… Bjs

Elas tinham razão, as mães veteranas, quando diziam que com o tempo passamos a amar cada vez mais nossos filhos, conforme eles vão crescendo e se mostrando capazes de retribuir nosso amor. Sim, elas tinham razão. É, realmente, cada vez mais incrível receber o sorriso de volta, perceber que sua filha te entende, e te corresponde.

A danada da Elisa agora aprendeu coisinhas deliciosas, que não cansamos de pedir, do tipo “quantos aninhos a Elisa vai fazer?”, e ela levanta aquele dedinho, sem conseguir encolher o polegar, sabe? Pena que ainda não consegui registrar em foto… é demais a doçura disso!

E tem também a brincadeira de esconder. Quase não acreditei quando ela mesma começou a tomar a iniciativa de esconder o rostinho no sofá, em pé, para depois levantar e dar um gritinho de felicidade, tipo “achou!”. Não, eu não cabia em mim, é fofa de doer.

Mas babar, mesmo, eu babei no dia em que ela pediu prá colocar o DVD das “Cantigas de Roda” que ela ama. Pegou a caixinha na mão, e começou a apontar, louca, para a TV, fazendo “ã ã ã”, e depois apontava o aparelho de DVD, e quase explodiu de felicidade quando percebeu que entendemos seu pedido e colocamos os benditos clipesinhos para rolar. Vejam se ela não gosta:

Concentração total (apesar de já ter visto mil vezes na vida)

Concentração total (apesar de já ter visto mil vezes na vida)

Uma relaxada lá pela terceira música

Uma relaxada lá pela terceira música

E no final o soninho bateu forte, depois de tanta euforia...

E no final o soninho bateu forte, depois de tanta euforia...

Quem diria que aquela bebezinha de ontem aprenderia tão rápido tantas coisas? E ainda tem gente que não acredita em Deus… pode?!

Foram 9 meses para cortar o cordão umbilical. E mais 9 para trocar o peito pela mamadeira. Emblemática coincidência, não?

Sim, coincidência, pois ao contrário do parto, que não foi natural mas teve que ser feito porque estava na hora, o desmame não foi para nós algo planejado ou calculado. Simplesmente foi acontecendo, e a Elisa praticamente não mama mais no peito…!

Comecei cortando a mamada da hora do meu almoço, porque ela já estava almoçando super bem, e depois mamando só para dormir. Em seguida  experimentei dar a mamadeira à noite, prá ver se ela parava de acordar só para mamar. Foram algumas noites de experiência (positiva, pois ela começou a dormir a noite toda), e o leite começou a diminuir. Passados alguns dias amamentando só pela manhã, e parece que agora o leite custa a sair. Aí eu ofereço, ela mama um pouco e depois começa a brincar com o bico, então eu fico sem saber se está alimentada. Ou seja, fica esse “nem lá nem cá”. Então falei hoje com o médico, e ele disse que está tudo ótimo, não há problema em desmamá-la porque já mamou bastante, quase 10 meses.

E agora? Quer dizer que minha filha cresceu? Como já não ter saudades?…

Desmame

Ser mãe é saber dançar novos ritmos, cantar novas músicas, contar novas histórias, brincar novas brincadeiras, falar novas línguas, preparar novos pratos, saborear novas sopas, provar novos odores.

Enfim, a maternidade é realmente uma vida nova. E que se renova a cada dia. É preciso ter criatividade, exercer novas artes, aprender certas manhas.

SorrisoÉ incrível como o comportamento dos bebês muda a todo momento. E com que rapidez! Aos 9 meses, Elisa está cada vez mais linda, boazinha, carinhosa, sorridente. E sapeca, claro. Com muita energia. Mais dentinhos. Fazendo tchauzinho, batendo muita palminha, aprendendo coisas e engatinhando rapidinho. Basta ter onde segurar, e já se levanta. Ficar no colo ela gosta cada vez menos. E também está mamando no peito só uma vez ao dia, de preferência pela manhã, pois com a mamadeira à noite ela dorme até o outro dia!

Estamos curtindo muito, apesar do curto tempo disponível. Temos trabalhado tanto…! Mas o relógio não ajuda, corre como nunca, e a cada vez que olho para a Elisa parece que ela está mais moça! E sempre exigindo cada vez mais da gente, que precisa reaprender a cada dia, cantando novas músicas, dançando novos ritmos, falando novas línguas, provando novos sabores… Que experiência tão rica e magnífica!

Ela sorri bem largo, sacode o corpinho todo, dobrando um dos joelhinhos inventa uma dança, nos olha feliz, e com uma das mãos paradinha, bate a outra com força e várias vezes seguidas. Agora que aprendeu a bater palminha, qualquer hora é hora. Pára de mamar, de comer, de brincar, corta qualquer momento, prá bater palminha feliz com a descoberta. O som do parabéns já nem sempre é necessário, mas serve de incentivo quando ela está com preguiça ou com vergonha. Que fofura!

Como não consegui postar o vídeo que filmei a Elisa batendo palminha, por favor, fiquem com a narrativa e imaginem como é linda a cena!

Hoje fomos ao pediatra, e lá encontramos alguns nenénzinhos recém-nascidos, então me dei conta de que estou naquela fase de já duvidar que minha filhinha era assim… tão pequeninha, mãozinhas e pézinhos murchinhos, rostinho inchado…

Assim, ó:

nenem

Sim, essa mesma bebezinha aí agora é uma criança linda que já fica sentada, pronuncia sílabas cada vez mais nítidas, faz um esforço gigantesco para tentar engatinhar, e tem 2 charmosos dentinhos embaixo:

 

 

sentada

Eu tenho muito mais prá comentar, mas o sono paralisante que eu estou não me permite… Hoje madruguei, estou sem  marido desde domingo então o ritmo vem sendo mais aceleardo. Voltarei, acordada.

… de calor … de amor …

piscina

Ela fez 7 meses e ganhou uma piscininha. Também cantou parabéns com a priminha.

parabens_7_meses

Adora bater palminha. Quase derreteu meu coração. E também começou a comer no cadeirão.

cadeirao

A moda, agora, é fazer fusquinha. Onde vai parar essa garotinha?!

fusquinha

 

 

 

 

Um dia muito choro, no outro menos. Uma noite perturbada, outra nem tanto. Um fim de semana bem agitado, outro mais tranquilo. Assim tem sido essa fase da Elisa.

Cheguei a ficar desesperada, na semana passada, com a tal “ansiedade da separação”, como a “Encantadora de Bebês” chama esse terrível medo que os bebês apresentam, perto dos 7 meses, de ficar longe da mãe. Logo depois do carnaval (quando ficamos 4 dias e meio grudadas), ela ficou desesperada por eu tê-la deixado na vovó para voltar ao trabalho. Ô dureza! O cúmulo foi no dia em que eu não conseguia vir embora da minha mãe com ela, de tanto que berrava quando a colocava na cadeirinha do carro. Não tinha a menor condição de eu dirigir; só consegui depois que encontrei uma calculadora HP na bolsa do papai, e o brinquedinho, graças a Deus, distraiu a Elisa até em casa… ufa! Depois dessa, resolvemos aderir ao conselho de dar “tchauzinho” todo dia (ao invés de sair de fininho), mesmo que debaixo do berreiro, até que ela se acostume. Parece que melhorou… pelo menos um pouco, vai…

Também nesses últimos dias evoluímos nas refeições – que agora incluem papinha inclusive no jantar – nas brincadeiras, cada vez mais divertidas e interativas; nos “diálogos”, quase sempre iniciados pela própria Elisa em seu idioma inimitável; nos movimentos cada vez mais próximos do engatinhar; e na fofura, muita fofura, mas muita mesmo, vocês nem podem imaginar… Ah, e na ousadia também:

sacada

Além de adorar ficar assim na sacada do apartamento (é claro que sempre com um de nós segurando!) ela parece querer gritar para o mundo todo, e logo que a colocamos ali, começa sua cantoria ao vento! Uma piada mesmo!

Descobrimos hoje, o papai sentiu quando a Elisa mordeu seu dedo: são os 2 primeiros dentinhos de baixo. Então fizemos ela dar uma risadona, e vimos as duas pontinhas brancas aparecendo; imaginem que charme a princesa vai ficar, dentucinha!

Finalmente consigo estar de volta. Nos últimos dias, durante o (pouquíssimo) tempo livre, tenho me dedicado à leitura do já citado livro “A Encantadora de Bebês”, para ver se descubro outros segredos dessa fascinante – e não menos complicada – tarefa de ser mãe.

Vamos vivendo entre tentativas e descobertas. O mais novo passatempo da Elisa é virar de bruços. Enquanto acordada, ela faz isso a cada minuto, sem conseguir, no entanto, voltar para a posição anterior. Enquanto dormindo, a freqüência é menor, claro, mas ela já aprendeu, inclusive, a dormir nessa posição.

Achou a mamãe

Achou a mamãe

Estar de bruços é estar feliz, até que as forças se esgotem, aí então ela pede socorro. Um pequeno probleminha nesse lazer é que enquanto dorme ela também vira, e aí não consegue voltar, acorda. E assim o sono ficou mais perturbado.
Por falar em sono (como sempre o assunto só perde em audiência para “alimentação”), estou apanhando para fazer a Elisa dormir em lugares diferentes. Ela, agora, não é mais aquela bebezinha que dormia na casa de qualquer pessoa, em outras camas, no colo… Ficou exigente e difícil. Na noite de Natal, por exemplo, “investi” boa parte da festa tentando fazê-la dormir no quarto da casa da tia. A agitação dela era tanta, que competia forte com o sono, e só consegui acalmá-la depois da meia-noite, tendo que recorrer ao Funchicórea, que pelo seu doce faz a pequena fechar os olhinhos e dormiiiiiir. Não gosto de recorrer a este “recurso”, porque, entre outras razões, acho que eu e ela temos que aprender a fazê-la acalmar-se sozinha, mas a situação era atípica então cedi…
Agora, que venha o Reveillón…
Apesar do choro que veio depois, a noite valeu a pena.

Apesar do choro que veio depois, a noite valeu a pena.

E assim vamos nos divertindo com nossa garotinha, que cresce cada vez mais depressa. Espero conseguir acompanhar esse ritmo evoluindo na habilidade de educá-la como ela merece, amando-a nem demais nem de menos, e aprendendo a sermos mãe e filha e amigas.
Depois a Mamãe não entende porque ela faz tanta farra...

Depois a Mamãe não entende porque ela faz tanta farra...

Nem bem tive tempo de piscar, e a Elisa já está com 4 meses – completos hoje.

parabens

Enquanto ainda é tempo (volto a trabalhar daqui a 2 meses), passo 24 horas por dia me deliciando com sua incansável rotina de novas descobertas a cada momento.

 chapeu_e_vestido

As mudanças que ela vem apresentando no seu comportamento são incríveis, mas prá encurtar a conversa:

– Já consegue virar de bruços (quase) sozinha, precisa apenas de uma ajuda para saber o que fazer com o braço que fica embaixo do corpinho;

 de_brucos2

– Sorri muito, sempre, grande e alto, pra quase todo mundo que fala com ela bem de perto, inclusive para William Bonner e Cia. na apresentação do Jornal Nacional (se o repórter tiver bigode, o sorriso vem mais fácil);

– Mama com menor freqüência do que antes, com mais força, durante menos tempo e com grande facilidade de distrair-se com outras coisas e pessoas;

– Diverte-se muito com as brincadeiras, e também com o banho, que já foi transferido do quarto para o banheiro, devido à quantidade de água jogada para fora da banheira;

– Acorda e fica sozinha no berço por um tempo, conversando consigo mesma, brincando com as mãos e pés, na maior diversão;

– Quer desesperadamente conversar;

– Dorme praticamente a noite toda;

– Continua dormindo muito durante o dia;

– Já pega seu pé e parece querer colocá-lo na boca;

– Baba MUITO e morde os dedos das mãos com verdadeiro apetite – as gengivas parecem estar coçando muito;

– Tenta, o tempo todo, ficar sentada ou em pé;

– Segura vários objetos e automaticamente os leva à boca;

club_social

Enfim, eu poderia preencher longas páginas descrevendo como é a Elisa com 4 meses, mas poucos insistiriam em ler…

Portanto, se você chegou até aqui, que tal deixar seu comentário sobre essa fase graciosa e incrível que a Elisa está vivendo? Vou adorar!

Tal qual a maior parte dos bebês da sua idade*, durante a noite a Elisa costuma dormir umas 6 horas ininterruptas, e depois desse período ela (e também a maior parte dos bebês que eu conheço) acorda “de travessado” no berço, com a cabeça atolada no protetor lateral.

O engraçado é que ela gira sempre no sentido anti-horário, independente da posição em que dormiu.

*Informação do site Baby Center: “Entre 3 e 4 meses, os períodos de sono do seu bebê começam a se definir. Nesta idade, muitos bebês já podem até dormir a noite toda, embora ainda acordem esporadicamente para mamar. Algumas crianças ainda demoram mais uns bons de três a seis meses para dormir a noite inteira (e por “dormir a noite inteira” entenda geralmente apenas seis horas por vez), então não se surpreenda se o seu bebê for uma delas”.

Hoje a Elisa foi um pouco mais além, tanto no horário quanto na acrobacia.

Depois de ter chegado dormindo da casa da priminha Luana, por volta das 11:15h da noite, nesta manhã a Elisa acordou às 05:45h, faminta, e como de costume estava de travessado no berço. Mamou bastante, e ao contrário do que faz quase sempre, não dormiu logo em seguida. Queria conversar, brincar, fazer farra. É claro, estávamos num ótimo horário para isso. Dormiu novamente lá pelas 06:45, e esse segundo sono costuma ser mais agitado. Talvez por isso, quase às 10 da manhã ela acordou completamente de cabeça para baixo, ou seja, nos pés do berço. Fiz questão de tirar uma foto:

Vejam onde ela chegou!

Vejam onde ela chegou!

Adulto tem mania de abusar de bebê bonzinho.

No último sábado (8) a Elisa completou 12 semanas de vida – contando assim, 3 meses parece menos tempo, né?

Lição_dos_3_meses1Quisemos, então, preparar uma festinha caprichada, afinal é uma data importante: depois que terminei o almoço, fiz um bolo com direito a cobertura (feita pela vovó), encomendamos baguetes, o papai comprou quibe, e já tínhamos convidado o vovô e a vovó, os padrinhos, e a priminha Luana com o tio Marcelo e a tia Lu. Pois bem, durante todos esses preparativos, a Elisa passou o dia toda alegrinha (como mostra essa foto linda), e só deu uns cochilinhos rápidos. A mamãe aqui achando normal, até porque, geralmente, quando quer dormir a Elisa dorme – durante o dia eu nunca preciso fazê-la dormir. No final do dia, ainda, decidimos dar um pulo na obra da casa que estamos construindo, e lá foi a Elisa, bocejando mas acordada.

RESULTADO: quando voltou para casa e mamou, começou a manha do sono. E exatamente minutos antes dos convidados chegarem, ela dormiu profundo.

Podem me chamar de desnaturada, mas eu não sou aquele tipo de mãe que convida as pessoas para ver a bebê e depois não deixa chegar perto da criança porque ela está dormindo; então, no primeiro sinal de “acordei” que a Elisa ensaiou, já estávamos todas lá, as mulheres. E FOI AÍ QUE ELA ABRIU O BERREIRO BONITO. Adeus fotos e brincadeiras com a priminha, adeus sorrisos. Ela realmente decidiu que, naquela noite, não dividiria conosco sua simpatia, e não parava de chorar nem para mamar. Foi “uma beleza”…!

Depois de bastante tempo conseguimos contornar a situação para, pelo menos, cantar parabéns para a princesa. Afinal, precisávamos ao menos acender as velinhas, e tirar uma foto com a roupinha nova que a mamãe comprou, oras!

Pois bem, lição registrada: por mais bonzinho que seja o bebê, É UM BEBÊ, e exige que as coisas sejam feitas no seu tempo, não importa muito a vontade dos adultos…

No final das contas deu tudo certo, e o principal do aniversário: hoje a Elisa foi ao pediatra para a consulta mensal. Nós 3 recebemos muitos parabéns porque:

– Ela está pesando 5,630 kg (engordou 910 gramas em 40 dias)

– Já mede 61 cm (cresceu 2 cm)

– Está sorridente, com o olhar esperto, já começa a querer se comunicar emitindo muitos sons de vogais (cada vez mais alto), demonstra força nos membros, e é muito esperta (opinião do próprio médico, hein!)

Comentário do site BABY CENTER sobre a fase dos 03 meses: “O bebê já tem força para levantar ligeiramente o tronco, apoiado nos cotovelos, quando está de bruços. Você vai notar nas próximas semanas que, com músculos mais fortes, ele vai conseguir levantar a cabeça e os ombros para olhar em volta. Deixe o bebê deitado de bruços por um tempinho, para que pratique essa nova habilidade. Aos poucos, ele vai aprender a transferir o peso do antebraço para as mãos a fim de se levantar ainda mais. Só lembre que essa posição é cansativa para a criança, mesmo que ela esteja louca para olhar para todos os lados, sem descanso”.

Fiz o teste com a Elisa, excelente desempenho!

Fiz o teste com a Elisa, excelente desempenho!

Para saber mais sobre o bebê de 3 meses, acesse http://brasil.babycenter.com/baby/desenvolvimento/03m0w/

Prá concluir, dois comentários extraordinários sobre essa fase linda:

TERMINARAM AS CÓLICAS!

O SONO COMEÇA A SE AJUSTAR!

Prá comemorar, vejam como a Elisa pegou no sono hoje:

"é isso que eu chamo de fazer dormir..."

Comentário do papai coruja: "é isso que eu chamo de fazer dormir!"

Idade da Elisa

Lilypie Kids Birthday tickers

Arquivo

Categorias

Acessos

  • 191,798 visitas