You are currently browsing the category archive for the ‘Datas importantes’ category.

Da tecla Play em diante, dia 08/08/08, tudo parece que correu no FF (>>).

– Quando ela fez 1 mês mudamos de casa; a mudança dormiu no caminhão, ela chorou horas a fio sem motivo aparente, e me fez perder a calma pela primeira vez;

– Aos seus 6 meses voltei ao trabalho, aos 9 meses desmamou, e com 1 ano e 4 dias, andou;

– Aos 2 anos foi para a escola, 3 meses depois virou a irmã mais velha, aos 3 anos virou uma tagarela.

Se tivesse uma mãe artista, essa história ainda virava poema!

– Depois que veio o Bruno tudo girou ainda mais rapidamente, parece que ela decidiu crescer ainda mais depressa e ficar independente, mas ainda pede que eu escove seus dentes – 🙂

– Ainda aos 4 e meio ficou banguela, e agora aos 5, se enfeita feito uma donzela!

Eu já sabia que seria assim, quando decidi criar esse blog pra poder deixar tudo registrado, mas nem assim consegui acompanhar! Muito rapidamente ela desfraldou, desmamou, cresceu…! “Pelo Amor de Deus”, como ela mesma gosta de dizer ultimamente! 🙂

A turma mais “cabeça” adora perguntar: “Onde você planeja estar daqui a 5 anos?” – como se quem pergunta soubesse responder! Eu francamente não lido muito bem com esse tipo de obrigação, sou mais o tipo genérica: quero estar bem, com saúde, feliz, e perto dos meus filhos! E Graças a Deus é bem assim que eu estou 5 anos depois de ter tido a Elisa! Altos e baixos tivemos de monte, com e sem sequelas, mas sem dúvida nenhuma, chegamos até aqui extremamente privilegiados:

5anos

Elisa, você vai ser mãe um dia (de 4 filhos, se mantiver o que hoje diz que pretende… he… he… he… duvido), mas seja de 1 ou de 4, você vai entender: um filho muda a gente para sempre. Não só por fora (abdome vira barrigão e depois vira barriguinha), mas por dentro, o coração, o pensamento, os valores. Obrigada, princesa primogênita, você dá trabalho mas me torna cada dia uma pessoa melhor!

“Sabe papai, você sempre foi, o meu melhor amiiiiigo…. Todas as vezes que eu precisei, você sempre esteve comiiiiiigo… Te amo papai, te amo paizão, muito obrigada por ser meu amigão! Te amo papai, te amo paizão, eu te ofereço hoje o meu coração!”

Essa musiquinha veio da escola, com outras mais, e rendeu o fim de semana todo. Depois da festinha na sexta, emocionante mesmo lotada de pais e mães eufóricos, foi cantada para o vovô, tirou lágrimas do biso, rendeu vídeo na chácara no domingo com a família, enfim… que delícia!

O papai continua sendo o xodó da Elisa. É claro que eu morro de ciúmes, mas sim, ele merece todo o carinho dela. Ele é doce, atencioso, cuidadoso, atento e preocupado com ela. Mesmo que às vezes seja bravo em excesso, essa característica também faz parte de ser pai. E ele vem buscando cada vez mais o equilíbrio tão importante nessa relação. Parabéns paizão!

Um é pouco; dois é bom; três é demais! E quatro???

Sim, ela está ficando uma “mocinha”. Não só na idade, mas no comportamento, no papo, nas sacadas, no raciocínio, nos questionamentos, e até nas piadas!

Mesmo assim, muitas vezes continua nos mostrando que não passa de uma bonequinha dengosa, manhosa, muitas vezes mimada. Seu chorinho insistente marca presença sempre que pode ou precisa. Hoje mesmo, saindo da vovó, escolheu vir para casa no carro da mamãe, com o Bruno, e não com o papai no carro dele. Foi andarmos um quarteirão, para a madame mudar de idéia. “Elisa, o papai te perguntou se você queria ir com ele ou comigo, e você escolheu vir aqui, agora não chore!”, eu pedia, em vão. E ela: “Mas agora eu resolvi que quero ir com eeeeellllleeeeeeeeee….”. Irritante, simplesmente, às 19h45 depois de um dia de muito trabalho e correria. Depois de escutar um pouco e argumentar mais um tanto, resolvi apelar: “Nossa, nem parece aquela menina linda que eu vi lá na escola hoje, com as amigas, fazendo xixi sozinha, depois pulando amarelinha…!”. “O que, mamãe?!” (já segurando o choro). “Sim, cadê aquela menina linda e moça lá da escola???”. “Sou eu, mamãe!”. “Ah, mas não parece!”. “Sim, sou eu, era eu, mamãe!” – acabou o choro.

Haja estratégia!

 

“Hoje eu fiquei decepcionada com você” disse eu ao maridão, porque ele não vai emendar o feriado comigo. Elisa, do banco de trás, pergunta na hora: “Mamãe, o que é decepcionada?”

Agora é assim, bobeou tem que explicar.

Tudo que é palavra nova, Elisa quer saber o significado, e depois fica procurando oportunidade de usar. Acho demais essa fase de ampliar o vocabulário.

Domingo passado teve festa junina na escola. Ela ficou me falando a semana inteira que não queria que demorasse pra chegar o dia da festa. Foi super jóia estarmos lá no ambiente dela, e a anfitriã querendo mostrar tudo, a escola, as amigas… Na hora de vir embora, não queria. “Quero andar com minhas amigas, mamãe, preciso ficar mais”… Imagina quando tiver 15 anos…!

Quadrilha

E depois parque, claro

 

Estava tudo ótimo, até 23h30 mais ou menos, quando começaram os rojões. É triste ver sua filha desesperada de medo…! O barulho estava realmente alto, os vizinhos soltaram muitos rojões até quando, graças a Deus, a chuva apertou, e pouco depois da meia-noite tudo tinha terminado. A cada ano a Elisa fica com mais medo dos fogos… e não sabemos o que fazer! Até porque medo é medo, não tem muito como evitar, eu acho. Coitada, quem sabe no próximo ano ela enfrenta melhor esse medo, sem tanto choro e gritaria.

A priminha Luana, por sua vez, nem ligou… Coisas da infância: uma tem medo de Natal (Luana não pode nem ouvir falar de Papai Noel), e outra do Reveillon…!

A festa da Branca de Neve foi fantástica. Ela própria, a Branca de Neve, foi esperar a Elisa na porta da festa. A carinha dela naquele momento vai ficar prá sempre guardada na nossa memória.

Ela se divertiu MUITO, e para nós é isso que importa. Família reunida, crianças, parque.

O dia do niver foi 8, a festa foi 13, e domingo passado, 21, conseguimos entregar à Elisa nosso presente de aniversário: uma lousa dupla – de um lado para o tradicional giz, e do outro, para as canetas de tinta removível. Juntas, elas ganharam um tripé, adaptado pelo super vovô Serjão, e ficou um serviço de primeiríssima, como sempre ele faz:

O melhor de tudo é que a lousa é portátil, então vai e volta da vovó, casa da prima Luana, nossa varanda… todo lugar e hora ela pode desenhar, escrever, inclusive já está aprendendo as letras do seu nome. E a posição vertical é ótima prá desenvolver a coordenação motora.

Divirta-se, querida. Você merece!

É na terça, dia 26, soube hoje pelo padre, na missa. Ainda bem que almoçamos com vovô e vovó e pudemos ao menos fazer um brinde, apesar de eles merecerem MUITO mais que isso! Com a vovó Edimar vai ter que ser por telefone mesmo, por causa da distância, mas esperamos em breve vê-la novamente.

Algumas vezes já me peguei pensando em que tipo de avó serei eu. Sim, tem muito tempo pela frente, mas é até curioso tentar imaginar, frente a tantas mudanças que vivemos no mundo de hoje. Até porque o exemplo que eu tenho, minha mãe, está MUITO longe do meu alcance!

É simplesmente impossível encontrar palavras prá falar da minha mãe. Eu não sei onde ela encontra tanta disposição, alegria, força, simpatia, sabedoria. Chego a ter certeza de que ela não é desse mundo. Eu, por muito menos, perco a calma, fico cansada, aflita. Se hoje a Elisa e o Bruno são duas jóias preciosas, devo muito disso a ela. Ela é meu braço direito, esquerdo, e meu cérebro muitas vezes. Inúmeras coisas que a Elisa sabe, foi ela que ensinou, primeiro para mim, e agora para ela. Como meu pai mesmo já disse, ela nasceu prá ser avó! rssss…. E por falar nele, também está se revelando um super avô. Eu jamais pude visualizar meu pai com a paciência que ele tem hoje, isso era absolutamente irreal antes dele se tornar avô. E agora já são 4 netos! Duas meninas e dois meninos.

Espero que eles possam ler este post, pelo menos você Serjão, e depois você dá o recado à vovó Nini. PARABÉNS A VOCÊS DOIS, e também a todos os vovôs e vovós, principalmente aos mais atuantes como esses!

Ah, e vocês, Elisa e Bruno, são mais privilegiados ainda porque têm também o Biso e a Bisa aqui conosco ainda! A Bisa, tadinha, na cadeira de rodas por causa das fraturas nas pernas (osteoporose), mas ainda é forte e tem chances de voltar a andar! E o Biso, alegre e disposto do alto dos seus 80 e tantos, ainda curte uma Skol principalmente se a família estiver reunida. Parabéns em dobro!

As comemorações começaram na sexta-feira com festa na escola da Elisa. Não se pode negar que foi um rebuliço só, aquele monte de mães frenéticas prá enxergar e fotografar seu filho durante a apresentação da sua turma, eu com o Bruno e minha mãe (que merece e muito as homenagens às avós mais do que atuantes), enfim, mesmo assim foi uma delícia, e uma comédia.

Dessa vez ela dançou direitinho a coreografia que devem ter suado prá ensaiar, e mesmo assim muitos da turma dela choraram e quiseram correr para os braços das mães, afinal, ainda estamos falando do Maternal I. A Elisa na verdade é a maiorzinha da turma, eu acho, porque como faz aniversário em Agosto, precisou “repetir de ano” prá chegar ao primeiro ano com 6 anos completos.

Só não havia meio dela virar a flor para o lado certo (veja no detalhe) prá mostrar a foto da mamãe. Distraíííída.... Tem prá quem puxar???Na vez dela se apresentar vovó pegou o Bruno e eu fiz absolutamente TUDO prá chegar bem pertinho e mostrar que eu estava lá, mas quem disse que ela me olhava??? Foi me ver só no final, quando as mães é que foram dançar, e aí veio aquele sorrizão delicioso!

No domingo a festa foi na casa do querido Tio Marcelo, com a participação da família completa. Elisa se divertiu muito, e as mamães também. Claro que a gente se enche de orgulho nessas datas, mas lá no fundo meu sentimento é de que nem mereço tantas homenagens, afinal de contas, a gente faz tudo tão naturalmente, nem tinha como ser diferente, não é mesmo? Mãe é mãe e pronto, dispensa comentários, e fica até difícil descrever o que isso significa. O que não quer dizer que a gente não ADORE receber as mensagens lindas de reconhecimento, claro! Então, PARABÉNS a todas as mães!

Foi no domingo, Dia dos Pais. Elisa completou seus 2 anos, charmosa, feliz, saudável e inteligente. Fizemos uma festinha deliciosa no almoço, para aproveitar comemorar o Dia dos Pais, e ela simplesmente amou. Ficou empolgadíssima com os brinquedos, principalmente o pula-pula, os presentes, as fotos, os convidados, a mesa e os enfeites da Barbie, foi tudo muito lindo.

Lembrando de tudo agora, fico ainda com mais saudades dela… Hoje é o terceiro dia que estou longe da minha filha, mas amanhã volto para casa. Precisei passar esses últimos dias trabalhando em São Paulo, e não vejo a hora de dar um abraço na Elisa amanhã à tarde! Filha, mamãe já está voltando, tá?

Antes de mais nada, mesmo atrasado, FELIZ NATAL a todas e todos!

E desde já, FELIZ ANO NOVO!

Tem várias pessoas que, por algum motivo, não gostam da época do Natal. Mas este não é o meu caso. Eu sempre gostei dessa data, e apesar de atualmente ter a sensação de que o espírito do Natal está cada vez mais difícil de ser acessado, continuo adorando.

Neste ano ele foi muito especial. Em 2008 já tínhamos a Elisa, mas com 4 meses de idade ela, além de não ter aproveitado nada, não permitiu que eu aproveitasse, porque chorou muito, não conseguia dormir, e passei a meia-noite no quarto com ela, tentando acalmá-la. Dessa vez foi totalmente diferente.

Ela já reconhece, e adora, o Papai Noel – e o Menino Jesus também, claro, mas o frisson não é o mesmo, já que este, apesar de ser o dono da festa, não veste vermelho e não faz HO HO HO…

Pois bem, o padrinho incorporou o Papai Noel, e conquistou a simpatia da Elisa, coisa que eu duvidava, pois até então ela havia ficado amiga apenas dos Papais Noéis “de mentirinha”, e nas várias vezes que esteve com o do shopping, agarrou no meu pescoço. A ceia de Natal foi aqui na nossa casa nova, e acho que isso também ajudou, porque ela se sentiu mais à vontade. Logo que ela viu o corpão vermelho descendo as escadas, abriu o sorrizão e ficou toda elétrica no meu colo, foi bem legal. A priminha Luana, por sua vez, se manteve dentro das expectativas que tínhamos para as duas (ela e Elisa): com medo, no colo da mãe. Por isso, e também porque o calor estava insuportável, Padrinho Noel comportou-se mesmo como o verdadeiro bom velhinho: quando as crianças menos esperavam, desapareceu do mapa. Mas não sem, antes, entregar o presente da Elisa, que ela recebeu encantada!

A Elisa aproveitou tanto tudo, os presentes, os convidados, a ceia (em específico as torradinhas de pão),  que ficou alerta enquanto aguentou, até mais de 1 e meia da manhã. Então subi com ela, e depois dos preparativos como escovar os dentes e etc, dormiu trocando a fralda…!

Para nós este Natal será inesquecível, e para ela também, graças às fotos, caso não se lembre…. rsss…

Depois de quase 1 ano construindo nossa casa, estamos de mudança marcada para quinta-feira.

Mudança

Quando a Elisa nasceu morávamos numa chácara; era uma delícia, porém, um pouco distante da cidade, e gostaríamos de mais praticidade para o dia-a-dia. Então vendemos e viemos para um apartamento alugado, enquanto durasse a obra da nova casa, agora dentro da cidade, e num condomínio fechado.

Agora chegou a hora da mudança. O apartamento já está de pernas pro ar, caixas pra todo lado, e entre elas, a Elisa com seus brinquedos… A partir de amanhã eu e Papai estamos em férias do trabalho, para podermos cuidar de tudo e ainda curtir a casa nova e a filhota, por 20 dias. Então por esses dias vai ficar difícil passar por aqui, porque terei dias de muito trabalho pela frente. Ainda bem que a Elisa “ajuda” bastante – eu tiro da gaveta, coloco na caixa, ela tira da caixa e joga no chão, ou leva lá prá longe!

Bem, o próximo post provavelmente já será da casa nova. Espero que a internet lá não demore muito prá começar a funcionar…! Até lá!

Finalmente consigo me sentar para contar como foi a festinha de 1 ano da Elisa…!

Foi uma semana intensa de preparativos finais: enfeites das mesas, que resolvemos comprar os itens e montar; filme de retrospectiva com fotos desde o nascimento da Elisa, com direito a músicas no tema e outros detalhes que deixariam o momento ainda mais inesquecível; lembrancinhas, saquinhos surpresa, arrumação do salão… enfim, tudo muito bem preparado para o grande dia.

Enfeite_mesas

Então, na véspera, começou o agito: recebemos em casa a família do papai, que mora a 400km de distância. A partir de então a Elisa já começou a sentir o clima de festa. Dormir começou a ficar em segundo plano para ela. No dia da festa, uma das sonecas ela pulou, mas caprichou na segunda – foram mais de 2 horas dormindo. Pena que, quando acordou, eu estava lá no salão arrumando os últimos preparativos, e ela acabou acordando super assustada, chorou à beça no colo da vovó visitante… Subi rapidinho para o apartamento, mas ela demorou a acalmar! Acho que foi por isso que ficou meio sonolenta no início da festa, deve ter ficado cansada porque chorou bastante, depois tomou banho e leite, imaginem!

Mas logo os convidados começaram a chegar sem parar, e ela foi ficando mais animada. No meio da festa ainda comeu papinha, porque marcamos às 5 e meia, então não teve jeito de jantar antes nem depois. Foi uma delícia receber tantas pessoas queridas; vieram quase 100 convidados, e ela esteve muito simpática com todos. Não chorou nenhuma vez durante toda a festa, pelo contrário, sorriu muito, foi no colo de muita gente, e até bateu palminha na hora do parabéns! Também, com um bolo lindo como este que a vovó artista fez! E o melhor: estava DE-LI-CI-O-SO!

Bolo

Ela ficou praticamente doida quando, mais para o final da festa, deixei que começasse a abrir alguns presentes. Que delícia vera expressão de admiração e alegria no rostinho dela!

Presente

O filminho que preparamos nós passamos antes do parabéns, e foi legal porque reunimos todo mundo dentro do salão, e foi emocionante.

Posso dizer que a Elisa aproveitou muito bem sua festa, e mesmo não tendo ainda idade para se lembrar, tenho certeza de que esteve muito feliz.

Ainda bem que tiramos muitas, muitas fotos, e um dia vamos poder mostrar para você, Elisa, como esteve linda, charmosa e iluminada na comemoração do seu primeiro aniversário!

Dentro de menos de 2 meses a Elisa completará 1 aninho… já! Agora que começamos a pensar na festinha de 1 ano, percebi que já estou atrasada, o normal parece que é começar bem antes! Mas tudo bem, agora vou tirar o atraso, o difícil é encontrar tempo para tantos preparativos!

O tema nós já decidimos: vai ser BABY DISNEY! Fofíssimo!

banner_babydisney

Até o bolo vai ser decorado, obra da vovó artista.

Agora estou à procura da empresa que providenciará essa decoração; é preciso pesquisar! Os preços variam muito, mas a qualidade também, é claro…

Depois vem o cardápio, que já temos em mente; garçons, convites, lembrancinhas, fotos, docinhos, etc, etc, etc. Decidimos fazer no salão do prédio onde moramos, e providenciar cada item por nossa conta, sem contratar um buffet completo, pois assim, apesar de dar mais trabalho, vamos selecionar exclusivamente coisas de que realmente gostamos e sabemos que são boas.

Afinal, a fofura merece, não?!Linda_demais

Ela está demais, linda e divertida! Pena que gripou de novo…

Quem tiver alguma dica sobre os preparativos da festinha, e também sobre como evitar tantos resfriados, estou aceitando de montão!

Dia_das_Mães2008Em 2008, comemorei o Dia das Mães em clima de estréia. Exibi mesmo a barriga, não economizei, e me coloquei bem à vontade junto às mulheres justamente homenageadas na data.

Porém, como ainda não podia ver o sorriso lindo da Elisa, sentir seu cheirinho doce, apertar sua bochecha no meu rosto, só hoje pude, de fato, sentir-me homenageada. Muito mais que pela data, homenageada pelo privilégio de ter a Elisa como filha.

Tivemos um dia, um final de semana todo, maravilhoso. Ontem, depois de muita farra, passeios e brincadeiras, fomos dormir tarde, e para começar o dia de hoje, ela me presenteou dormindo direto da meia-noite às nove da manhã! Quando acordei com seus “grunhidinhos” de brincadeira no berço, e olhei no relógio, nem acreditei. Então fomos à missa, e minhas preces foram só agradecimentos, pela felicidade de ter uma filha perfeita, saudável, linda, feliz. Nada pode ser melhor do que essa satisfação, e o mínimo que posso ter a Deus é gratidão. Depois tivemos o almoço especial, tri-geração, com a bisa, a vovó, a mamãe, a bebê, e toda a família. Mais uma vez ela esbanjou sorrisos, palminhas e charminho.

Dia_das_Mães2009

É realmente incrível como um adjetivo de apenas 3 letrinhas – MÃE – muda tanto a vida de uma mulher. Hoje eu vejo: desde muito pequenina, uma pessoa nascida da gente tem verdadeiro poder de nos transformar. O jornal da cidade de hoje trás um artigo dizendo que ser mãe nos faz pessoas mais inteligentes. Não tive tempo de ir além do título na leitura, mas posso imaginar que vasto terreno teve o autor desse texto para discorrer sobre tal teoria. Não sei se eu chamaria de inteligência, mas ao tornar-nos mãe nos revestimos de mais sensibilidade, de muito mais maturidade, e de algumas habilidades que nunca imaginávamos combinar com a gente. Trata-se de um encanto que espalha um colorido fresco no ar, e transforma um dia-a-dia aparentemente feito de um sem fim de tarefas, num viver adocicado, macio e vibrante, pelo simples fato de termos, em mãos, alguém originado de uma obra divina, mas feito por obra nossa.

Tão doce experiência de ser mãe vem acompanhada de um enorme peso, o da responsabilidade. Chega a ser desesperador pensar que estamos olhando para alguém que, no futuro, será uma pessoa formada por valores, hábitos, sentimentos, plantados por mim, por nós, mãe e pai, e muitas vezes também avós. E que por isso precisamos aprender a amar e educar, amar e formar, amar e dosar.

Quem venham, então, muitos outros Dias das Mães, e o tempo e a experiência ajudem essa novata mamãe a saber viver…!

Pegue toda a paciência do mundo. Multiplique por infinito. E agora some o máximo que puder. Ainda é menos que a paciência da vovó com a Elisa. A espertinha, é claro, não demorou a perceber o carinho da vovó, e ao contrário dos primeiros dias em que voltei ao trabalho, agora ela adora ficar na casa dela. Quando saio, ao invés de lágrimas, ela me dá sorrisos. E dia após dia, a vovó faz festa, brincadeira, farra, ensina tchauzinho, beijinho, e a bebê aprende novidade após novidade.

 

Foi nesse clima que a vovó comemorou aniversário ontem. As comemorações começaram na quinta-feira e só terminaram no final da Páscoa. A Elisa, é claro, esteve em todas. Rodeada pelas netas, a vovó aproveitou as festas, e comemorou devidamente. Na hora do Parabéns, lá estavam Elisa e Luana para ajudar a apagar as velinhas: 

 viva_a_vovo

 

Foi muito legal, e aproveitamos bem o final de semana prolongado. Não faltaram momentos deliciosos:

Assistindo desenho no cercadinho improvisado

Assistindo desenho no cercadinho improvisado

 

Não vão me dar nem um pedacinho?!

Não vão me dar nem um pedacinho?!

Nascida no dia 8 do mês 8 de 2008, a Elisa acaba de completar 8 meses. Ela bem que combina com esse número, redondinha, fofa, toda cheia das curvinhas.

Já ficou distante aquela nenénzinha pequena, frágil, indefesa, dependente. Elisa, agora, demonstra bem suas vontades, e principalmente, aprendeu bem a fazer manha. Nós também aprendemos a interpretar melhor seus sinais, a menos quando ela chora muito para dormir, o que ainda nos deixa um pouco inseguros… O fato é que ela acostumou a mamar para dormir, especialmente à noite, e isso tem me preocupado um pouco, porque acho que essa “dependência” não é saudável. Assim como já aconteceu com outros “hábitos”, espero que esse também passe com o tempo.

Eu adoro esses momentos de amamentação, mas estou tentando reduzir de 4 vezes (de manhã, no meu horário de almoço, à noite e durante a madrugada) para apenas duas (de manhã e à noite), mas às vezes parece que ela está pedindo, é irresistível! De qualquer forma, tenho tentado fazê-la dormir de outras maneiras, mas ela só sossega, mesmo, mamando. Muitas pessoas comentam que seus bebês, aos 8 ou 9 meses (outros até antes) largam o peito, mas a Elisa parece gostar cada vez mais…!

De um jeito ou de outro, venho tentando, há 8 meses, de segunda a segunda, ser a Super Mãe que a Elisa merece, como bem demonstra esse pijaminha lindo que ganhei da minha amiga Alice no meu aniversário.

super_mae

Nunca acho que estou sendo atenta, presente ou preparada o suficiente – não é fácil, mas todo esforço é pouco para compensar a felicidade que essa bebê trás para minha vida!

Com tantos motivos prá comemorar, cheguei aos 30 anos. Foi na semana passada, e na correria ainda não comentei sobre isso. Agora já estou assimilando que cheguei, sim, à “maturidade”: mãe e mulher de 30!

Meu Bem preparou uma festa surpresa, e apesar de não ter sido muito surpresa porque o porteiro do prédio deixou escapar, foi uma delícia.

dsc02975A Elisa, como sempre, participou ativamente, inclusive dos preparativos (sem me contar nada, he he he), e sempre cheia de sorrisos e simpatia. Vieram todos da família, e também minhas amigas, inclusive a Jéssica com a Helena! E a Elisa tinha também a companhia da priminha Luana, que é lógico, também estava presente.

Comemorar essa idade marcante, tendo a Elisa de presente, não poderia ter sido melhor. Ela é o grande motivo da minha alegria diária, e posso dizer que cheguei aos 30 anos realizada. É claro que muitas vezes bate aquele sentimento de incapacidade de dar conta de tudo, de ser mãe, esposa, filha, amiga, profissional, mulher… e tudo o mais, mas quem é que consegue viver sem essa pequena culpa?

Também chego aos 30 cheia de desejos. De talvez ter mais um filho, de ver minha filha crescer com saúde e inteligência, de ter um casamento sempre renovado, de curtir cada momento novo que passa tão rápido com o tempo. E, principalmente, de continuar cheia de motivos para agradecer, agradecer, agradecer, todos os dias, sabendo dar o devido valor às coisas que realmente trazem a felicidade.

Obrigada a todos os que se lembraram do meu aniversário, aos que estiveram comigo, e aos que não se lembraram e não estiveram, mas participam da minha vida e fazem parte do que eu sou. Obrigada!

dsc02963

Idade da Elisa

Lilypie Kids Birthday tickers

Arquivo

Categorias

Acessos

  • 191,616 visitas